{mini-resenhas} Comentando animes e mangás


Esta semana comecei definitivamente a aprender a tornar blogs responsivos - já sabia razoavelmente fazer-lo em templates genéricos, mas não no blogger, e só ontem é que consegui converter uma das minhas bases (que eu achava que estava pronta, mas não está). Muitos dos tutoriais na net, supostamente adaptados ao blogger, não funcionavam, e portanto eu estou bastante contente por estar a conseguir improvisar. Como se não bastasse, estou a organizar todas as minhas dicas relativamente ao assunto para um post que deve sair para a semana no chuva de html ~o blog ainda não morreu! (っ^▿^) ~ e estou ainda a fazer uma base 100% editável, que claro, irei disponibilizar. Assim, mesmo quem não quiser aprender a fazer lays responsivos pode partir daquela base, que já terá metade do trabalho feito. OH, E EU SEI QUE AINDA NÃO RESPONDI AOS COMENTÁRIOS! Maaaaas descobri que, sem ser através do google chrome, o bug não acontece e sou capaz de comentar sem problemas.

Este post é basicamente um conjunto de mini-resenhas de animes e mangás.
Nabari no ou» anime
"Existem 3 tipos de pessoas que mantém segredos: Aquelas que não se querem lembrar do que está nas profundezas dos seus corações; aquelas que querem falar sobre isso, mas não podem; e aquelas que esperam que alguém as questione sobre o que estão a esconder." Este anime, fracamente produzido, envolve ninjas, uma criança amaldiçoada, personagens destinadas a morrer e revelações finais, então não é nada de original. Apesar de tudo, as personagens cativaram-me e mesmo não sendo uma obra que fique no meu coração, acredito que o mangá ficaria. Ainda não li, então estou a dizer isso com base em spoilers que encontrei e que denotam que não só o mangá tem um pacing muito melhor, como muitos mais momentos que nos permitem apegar às personagens. Fui impelida a ver esse anime por duas razões: [as] [endings] (ambas muito bonitas, especialmente a segunda), e a relação entre o protagonista Miharu e um antagonista menor, Yoite. Esses dois tanto são um ship popular como facilmente passam por irmãos, mas o ponto é que foi bastante bonito ver como o protagonista, que é de forma geral apático, começou a querer saber de alguém conforme foi ficando mais próximo do Yoite e vendo a sua saúde decair

Nana» anime
Nana é um anime que eu sei que teve muita coisa do mangá cortada, e contudo ainda conseguiu ser uma adaptação consistente. Conta a história de 2 raparigas chamadas Nana, muito diferentes entre si, se conhecem por acaso e acabam por ir viver juntas - bah, vejam a sinopse do [MAL]. Apesar de me ter deixado um bocado depressiva na altura em que o vi, e me ter feito ficado com imensas dúvidas sobre a minha própria bissexualidade (sim, isso mesmo), não me arrependo de o ter visto. Adorei ver a amizade e as relações EXTREMAMENTE complexas entre todas as personagens, e adorei ver como a merda toda que acontece na vida delas as afasta do seu futuro idealizado, mas que não deixa de trazer um futuro bastante razoável. A arte e a trilha sonora é claramente antiga, mas adequa-se bastante à ambientação, e são exploradas questões muito complicadas como namoros que não dão certo, voltar para ex-namorados, gravidez indesejada, triângulos amorosos onde uma parte nem sequer tem chances, popularidade, uma forma bem queerbaited de bissexualidade, ver pessoas de quem gostamos apaixonarem-se por outras... Enfim, foi um caos que fez sentido, eu gostei. 

Owari no seraph» anime
Se Nana foi um caos que fez sentido, as duas temporadas de Owari são um caos que não o fez. Na verdade, quanto mais a trama se desenvolvia, mais parecia que o autor tentava forçar elementos de todas as histórias populares na sua histórias: vampiros, demónios, apocalipse, anjos, armas encantadas, e creio que temos uma espécie de ninjas...? Yup, a trama é PÉSSIMA, mas ainda assim eu e a minha irmã não nos arrependemos de ter visto pela razão mais óbvia que eu poderia dar: as personagens. São uns amorzinhos, e eu adoro como não há um limite claro entre amor no sentido romântico e amor no sentido de família - aka, dá para shipar o protagonista Yuu com todas as personagens (especialmente o Mika, o que fica claro por [este] amv) apesar de ele dizer que todas são como uma parte da família. O  character design também é das coisas mais bonitinhas que vi nos últimos anos, e ver como lados rivais acabam por se aliar - porque um shounen sem mencionar o poder gay da amizade não é um shounen - também me fez sentir bem nostálgica. 

Kuroshitsuji» mangá
Oh god... Os capítulos mais recentes foram arrebatadores. Desde o arco "titanic zumbi" - como a Hina-clone lhe chama - que as revelações têm sido todas de arrasar com os fãs, fora a arte única e o pacing maravilhoso da mangaka Yana Toboso. Mas o último arco acabou de trazer uma morte das mais tristes e a confirmação de uma teoria das mais loucas e que há muito que os fãs especulavam. Não vou ser mais específica que isto para não dar spoiler, mas se ninguém se importar, [estes] [amvs] resumem as tretas. Como se não bastasse, antes da treta tivemos um UtaPri AU onde o Ciel criou uma companhia de dançarinos para rivalizar com uma outra companhia, esta constituída por um antigo quarteto de amigos que ficou bastante popular e que é constituída por antigos prefeitos de um colégio. Oh, e vale ainda mencionar que a Lizzy samba cada vez mais, e que o Sebastian cada vez mais não é tão confiável quanto os fãs desejam crer.

Voltron season 2» animação ocidental
Já cheguei a fazer uma review da primeira season [aqui], num dos primeiros posts deste blog. Sobre a segunda season, não foi aquela coisa tenebrosa e angustiante que toda a gente temeu/desejou pelo trailer, mas mesmo assim teve revelações interessantes, como a confirmação da teoria sobre o Galra Keith ;) Muita gente reclamou, e em parte em concordo, que o Lance recebeu pouca atenção e que o Hunk quase só foi usado como alívio cómico. Mas os produtores disseram para nos acalmarmos porque ainda haverão várias temporadas pela frente e eles querem desenvolver uma personagem de cada vez, sendo que o Lance está prestes a brilhar. Ainda, foi confirmado que o Lotor vai aparecer na próxima temporada (o desgraçado ainda nem apareceu e até AMVs já tem!!), estamos perto de rever o irmão da Pidge, e pelos trailers é certo que, pelo menos temporariamente, o Keith vai pilotar o black lion e o Lance vai pilotar o red. Mas o mais importante: É POSSIVEL QUE KLANCE VENHA A SER CANON AAAAAAAAARGH olhem só para estas pérolas: www www www (aos 14 segundos) www

Angel beats» anime
Eu não sentia grande vontade de ver angel beats, só vi porque um amigo meu tinha visto e se deu ao trabalho de começar a ver comigo, até porque ele estava emocionado e desesperado por mais (minha versão da história). E sinceramente? Gostei mais do que de AnoHana. Eu julguei que ia ser só um dramalhão armado por culpa das próprias personagens, mas afinal até que as poucas histórias reveladas sobre quando elas estavam vivas eram credíveis e não me enjoaram. Adorei como o facto de a Yuri ser líder estava associado a ela ser a irmã mais velha, e adorei a sua atitude no final; Simpatizei imenso com o protagonista e com a sua dose de ética para dar e vender; O Hinata é querido demais; A própria Kanade não se revelou tão chata quanto eu julgava... E claro, deu para arranjar bons ships yaoi ^~^ E pronto, gostei de como as coisas se desenrolaram, embora nada me tenha comovido no final. Como bónus, gostei do facto do anime ter personagens superficialmente estereotipadas pelo propósito de troçar desses mesmos estereótipos ^^ 

Steins;Gate» anime
Um dos animes no meu topo de favoritos embora, ao contrário dos restantes que guardo no kokoro, eu ter para com ele uma relação de amor e ódio. Se é digno de uma resenha inteira? Sim, sem dúvida, mas já vi há demasiado tempo para elaborar tanto quanto gostaria. A produção tem vários fortes, e o enredo é o maior deles - mas como sinto que qualquer coisa seria spoiler, vamos só dizer que envolve viagens no tempo/linhas temporais parelalas, que os mistérios são todos resolvidos satisfatóriamente, e que isso por si só pode ser tão bem aproveitado que conta com uma série de especiais/ovas/filmes, sendo que um sairá este ano. Contudo, o enredo não teria o mesmo impacto sem ter boas personagens, e embora eu não simpatize inteiramente com todas elas, reconheço que todas foram bem encaixadas na trama: A melhor amiga do protagonista percebe melhor o que se está a passar do que seria suposto; A Kurisu pode parecer uma tsundere típica, mas é verdadeiramente inteligente, e apoia o protagonista mesmo quando isso implica sacrifícios da sua parte; John Titor é mais do que uma simples figura misteriosa; O protagonista, Okabe, merece realmente o título de cientista maluco e no começo achava-o a personagem mais desprezível que já vi nos últimos anos, mas as coisas que passou fizeram-no amadurecer e revelar que a atitude pretensiosa dele era em grande parte um escudo... O último ponto forte é a parte tecnica: a opening encaixa maravilhosamente, e a arte, apesar de não ser bonita, ter uma iluminação cegante e uma palete muito monótona, também comtribuiu para a sensação de que algo está errado, logo combinou com a história. Não posso, contudo, deixar de comentar as coisas que me incomodaram. Enquanto que alguns colegas meus se incomodaram mais com a violência numa ou noutra cena, isso não me incomodou nada - muito menos em comparação com 1) o típico harém 2) a transfobia. Não houve uma única interação com a Luka que eu não tenha achado transfóbica: tratarem-na no masculino apesar de a própria personagem deixar claro que se sentia/queria ser mulher, a reação do Okabe quando queria provar que ela era um rapaz (ah sim, abuso foi outro problema), o facto de a personagem parar de gostar do Okabe quando é do sexo masculino, e de o próprio Okabe se esforçar por não sentir nada por ela (mais um problema: homofobia), a maneira como os produtores obrigam a personagm a aceitar que "é rapaz" e aceitar ser tratada como tal de forma humilde... animes têm imensas personagens trans, e muitas vezes até há uma tentativa de as respeitar e de lhes dar profundidade - embora este anime o tenha feito superficialmente - mas o facto é que torná-las personagens dignas e amadas não muda o facto de o seu género estar a ser desrespeitado. E como eu vi SG com os olhos bem abertos, fiquei bastante indignada.

Estão a ver? Ainda consigo escrever posts sem falar demasiado de representatividade ;)

Comentar com: ou